Dom Afonso Henriques

Dom Afonso Henriques, o primeiro Rei de Portugal, que nasceu em 1109 em Coimbra e faleceu em 1185 na Galiza era filho do Conde Henrique de Borgonha e de Dona Teresa, criado por Soeiro Mendes de Sousa e sua mulher no Condado Portucalense quando teve uma nobre educação no aspeto político, com isto se tornou um elemento congregado e legitimador, no ano de 1120 junto com Dom Paio Arcebispo de Braga assumiu uma posição política contraria a de sua mãe, que apoiava os Travas, e em virtude de sua posição foi obrigado a emigrar junto com Dom Paio, e no ano de 1122 se armou cavaleiro na Catedral de Zamora e no seu retorno ao Condado em 1128 se defrontou e venceu as hostes de Fernão Peres de Trava na Batalha de São Mamede e assumiu o governo do condado com o objetivo de firmar a independência, para tal definiu uma política baseada na defesa de seu condado contra Leão e Castela ao norte e Leste e contra os Mouros ao sul, negociou com a Santa Sé no sentido de ver reconhecido a independência de seu reino e de conseguir a autonomia plena da igreja portuguesa.

 

Dom Afonso Henriques fundou o Mosteiro de Santa Cruz em Coimbra, no ano de 1131 erigiu diversos castelos onde se destaca o de Leiria em 1135 sendo um dos pontos estratégico para o desenvolvimento da reconquista, em 1137 venceu os leoneses em Cerneja, e no ano de 1139 venceu a Batalha de Ourique contra os Mouros quando passou a intitular-se rei e no de 1143 prestou vassalagem a Santa Sé e na reunião de Zamora foi reconhecido a sua realeza por Dom Afonso VII de Leão porém só em 1179 com a Bula Manifesto Probatório do Papa Alexandre III foi que designou Dom Afonso Henriques como rei concedendo-lhe o direito de conquistar territórios Mouros para alargamento do seu território. Em 1147, Dom Afonso Henriques conquistou a Cidade de Santarém e Lisboa com a ajuda de cruzados, tomou as cidades de Almada e Palmela que se entregaram sem lutar.

Em 1159 Dom Afonso Henriques tomou Évora e Beja a qual perderia pouco depois a favor dos Mouros, a reconquista de Beja e Évora por Dom Afonso Henriques se deu em 1162 com a ajuda de Geraldo Sem Pavor e quando de sua morte deixou para o seu filho Dom Sancho I um território perfeitamente definido e independente.

Dom Afonso Henriques

Dom Afonso Henriques

A Lenda de Afonso I, Rei de Portugal:

(Origens e evolução)

Dom Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal, ou seja, aquele infante que, em dado momento do séc. XII, decidiu intitular-se a si próprio rei e obteve pouco a pouco, habilmente, o reconhecimento da independência do condado que governava e que, até então, dependia do reino de Leão – Afonso Henriques, filho de Henrique de Borgonha e de Teresa, por sua vez filha bastarda de Afonso VI, o famoso rei de Leão e de Castela que reconquistou Toledo aos mouros – é um personagem cuja história e feitos impressionaram visivelmente a imaginação dos seus contemporâneos e sobretudo a imaginação das gerações que se seguiram.

É o que explica, primeiro, o tom parentérico e quase hiperbólico de algumas fontes latinas (anais, vidas de santos), no entanto históricas, escritas pouco tempo depois da sua morte. É isso que explica ainda – e é o mais importante no caso preciso de que me proponho tratar – a deformação que se introduziu bastante rapidamente nas descrições dos seus feitos – uma deformação que aparece já nas crónicas castelhanas e portuguesas de fins do séc. XIII, uma centena de anos depois da sua morte.

A história de Afonso, mesmo antes desta deformação, tinha – é preciso reconhecê-lo – matéria com que impressionar quem a ouvisse. Simples filho de um conde, vassalo do rei de Leão, que morreu (1112) quando ele ainda era uma criança, Afonso (n. em 1109), antes de atingir a maioridade, em 1128, já tinha retirado o governo do condado a sua mãe e ao seu amante galego (um dos maiores senhores da época), Fernão Peres de Trava, com o qual ela vivia desde a morte de seu pai.

A partir deste momento, Dom Afonso Henriques tinha conseguido combater vitoriosamente tanto os leoneses e galegos como os mouros. Em 1139-1140, decidia adotar o título de rei dos Portugueses e, em 1143, obtinha que o imperador Afonso VII de Leão e Castela reconhecesse o seu direito a assim se intitular. Entre 1140 e 1169, a sua história é a de toda uma série de vitórias sobre os mouros, que lhe permitiram deslocar a fronteira da reconquista da linha do rio Mondego até ao interior da província do Alentejo, ou seja até bastante ao Sul da linha do Tejo. Ainda que os contra-ataques dos mouros, no fim do seu reinado, lhe tenham feito perder uma parte do território meridional já reconquistado, a linha do Tejo nunca mais foi atravessada pelos mouros.

As duas grandes cidades de Lisboa e Santarém ficaram sempre portuguesas, a partir do momento em que Dom Afonso Henriques as reconquistou em 1147. Toda esta sucessão de vitórias não podia deixar de impressionar os seus contemporâneos. Mas a sua imaginação não foi menos abalada pelo acidente inesperado que provocou, em 1169, em Badajoz, a prisão do rei de Portugal pelo seu genro, o rei Fernando de Leão, com o qual ele se encontrava em guerra. Afonso caiu prisioneiro, depois de o ferrolho de uma das portas da cidade lhe partir a perna direita, quando ele saía, a correr, montado no seu cavalo. Este desastre, de que este rei sempre vitorioso foi vítima, encontra-se aludido até nas fórmulas que servem para datar alguns documentos leoneses.

Neles se fala do “ano em que o rei de Portugal foi feito prisioneiro em Badajoz”. Rapidamente posto em liberdade pelo seu genro, em troca de algumas cidades que ainda possuía na Galiza, Afonso I reinou até ao ano de 1185, quanto tinha atingido a idade de cerca de 76 anos. Tinha governado durante 57 anos.

Leia mais sobre:

A Lenda de Afonso I, Rei de Portugal

Referência
Cintra, L. F. P. — A Lenda de Afonso I, Rei de Portugal. Revista ICALP,
vols. 16 e 17, Junho-Setembro de 1989, 64-78.

 

 

Volte para a História de Portugal

 

 

6 Respostas para Dom Afonso Henriques

  1. carilene margarida oliveira rodrigues escreveu:

    eu gostava de comheser d. anfonso henrrices

  2. alexandra escreveu:

    se esquerceram-se do livro para estudar para o teste venham aki que ajuda muito

  3. Rodrigo escreveu:

    Muito informático

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*